PS Algarve recomenda a contratualização de unidades de cuidados continuados

“O Algarve irá dispor em 2013 apenas de mais 70 camas em cuidados continuados integrados, de acordo com informação veiculada recentemente por órgãos de comunicação social de âmbito nacional”, salienta o PS Algarve, através de nota de imprensa assinada pelo seu presidente, António Eusébio.
Antonio Eusebio“Recorda-se que os internamentos em cuidados continuados integrados, criados pela governação socialista, destinam-se a pessoas com diferentes níveis de dependência e apresentam como objetivo promover a recuperação funcional possível ou pelo menos não agravar a situação de dependência já existente.

O PS Algarve observa com grande preocupação o descurar das entidades regionais pela área da saúde. O PS Algarve encara esta postura como francamente nociva às necessidades da população algarvia de cuidados articulados de saúde e de apoio social e, de igual modo, lesiva às expetativas das entidades promotoras de novas unidades de internamento e que o Ministrério da Saúde financiou através do Programa Modelar.

Numa sociedade envelhecida como a nossa, e particularmente no caso do Algarve, a baixa aposta em cuidados continuados significa privar os algarvios de oportunidades de recuperação e manutenção do seu conforto pessoal e social. Até porque o PS Algarve não esqueceu o encerramento das 20 camas da Unidade de Convalescença de Faro.

enferm e doenteÉ, sem dúvida, positivo que os serviços públicos desenvolvam uma boa gestão dos recursos de que dispõem, geradora de poupanças e saudável em termos do erário público, e até que publicitem tal, mas estas poupanças devem ocorrer, no entendimento do PS Algarve, pela reestruturação, reorganização de serviços e não pela eliminação de serviços necessários.

É, ainda, com elevada apreensão que o PS Algarve interpreta a opção das entidades regionais por não autorizar o início de funcionamento de unidades que até foram financiadas pelo próprio Ministério da Saúde. Por um lado, através do Programa Modelar, financiou entidades privadas sem fins lucrativos em mais de 130 camas que ainda se encontram por abrir e, por outro lado, apoiou a criação de 45 camas dentro do Hospital de Faro que, de igual modo, não iniciaram funcionamento.
Tal decisão implica, naturalmente, grandes constrangimentos para as entidades promotoras envolvidas até porque contraíram empréstimos para a realização dos projetos em causa, podendo mesmo interferir com a sua sustentabilidade e saúde financeira.
Tal decisão, noutra vertente, não carateriza uma gestão eficiente se atendermos a que, sendo os cuidados prestados adequados às necessidades dos doentes, os encargos com os internamentos em cuidados continuados são bastante mais baixos que os referentes às camas hospitalares.
O PS Algarve incita as entidades regionais a repensarem as opções tomadas e recomenda a contratualização de todas as unidades de cuidados continuados, durante o ano de 2013, consoante reunam as condições técnicas para o efeito.
É com preocupação que o PS Algarve observa a falta de estratégia regional na área da saúde e as implicações graves para os algarvios que gradualmente são privados de serviços, e de qualidade nos serviços, anteriormente assegurados”, conclui o documento dos socialistas algarvios.

 

 

Advertisements
por Algarve Press

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s