campanha de sensibilização para o Cancro da Tiróide

24 de Setembro – Dia de Sensibilização para o Cancro da Tiróide – 400 novos casos da doença surgem anualmente em Portugal. Associação de doentes lança campanha de sensibilização para o Cancro da Tiróide

A Associação das Doenças da Tiróide e o Grupo de Estudos da Tiróide (GET) da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo (SPEDM) lançam no dia 24 de Setembro, dia de Sensibilização para o Cancro da Tiróide, uma campanha que pretende chamar a atenção dos portugueses para esta patologia, que afeta cerca de 400 pessoas por ano no nosso país e cuja incidência está a aumentar.

A iniciativa passará pela distribuição de folhetos informativos sobre o cancro da tiróide nos serviços de endocrinologia dos hospitais de todo o país, centros de saúde, farmácias e outras instituições que prestam cuidados de saúde.

Segundo o GET há mais de um milhão de portugueses afetados por doenças da tiróide. Este tipo de patologias são bastante comuns e afetam sobretudo mulheres sendo os principais distúrbios o hipotiroidismo e o hipertiroidismo.

Maria João Oliveira, endocrinologista e coordenadora do GET explica que “nas últimas décadas tem-se registado um aumento dos casos de cancro diferenciado da tiróide, em Portugal e também noutros países desenvolvidos. Tal é também devido à maior sensibilidade dos meios auxiliares de diagnóstico. Há um maior risco em pessoas submetidas previamente a radioterapia da cabeça e pescoço ou outra forma de radiação, com história familiar de patologia maligna da tiróide, quando apresentam determinadas patologias malignas endócrinas”.

O prognóstico do cancro da tiróide é, em geral, excelente, embora cerca de 20% dos casos possam ter um prognóstico mais reservado. O diagnóstico e tratamento precoces do cancro da tiróide, são, no entanto, determinantes.

Manter a vigilância periódica é essencial para a deteção precoce de uma eventual recidiva. Ainda que na maioria dos casos a doença esteja localizada, por vezes pode haver disseminação (metástases) no pescoço e a outras partes do corpo muito anos depois da cirurgia. Por esta razão, os médicos recomendam que os doentes com cancro da tiróide mantenham a vigilância regular para toda a vida, mais importante nos primeiros 5 a 10 anos.

A endocrinologista considera fundamental “a divulgação e informação sobre a patologia nodular da tiróide entre os profissionais de saúde e a população em geral. Contudo, o pedido de exames deve ser criterioso pois pode levar a um sobrediagnóstico de pequenos nódulos da tiróide sem significado patológico ou interesse clínico que conduzem a uma ansiedade excessiva no doente e seus familiares”.

Celeste Campinho, presidente da ADTI, refere que “a nossa associação sentiu que existia uma lacuna no que diz respeito à informação sobre o cancro da tiróide, daí lançarmos esta campanha para sensibilizarmos e informarmos os portugueses sobre uma doença cujo sucesso do tratamento depende de uma deteção precoce e da vigilância periódica”, E lembra que “o apoio aos doentes da tiróide e seus familiares existe e a associação tem meios para esclarecer e desmistificar as questões colocadas pelos associados. Queremos divulgar que através da ADTI, os doentes com cancro da tiróide e seus familiares sentir-se-ão acompanhados.”

O cancro da tiróide é um tumor maligno da glândula tiroideia. Aparece habitualmente sob a forma de nódulo do pescoço, quase sempre sem dor. Os cancros da tiróide mais frequentes são o cancro papilar e o folicular que se agrupam nos chamados cancros diferenciados da tiróide.

fotos google

por Algarve Press

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s